quarta-feira, 19 de abril de 2017

Missão resgate Páscoa 2: ragú picante de lagarto

Domingo de Páscoa teve brunch e um dos pratos era um rosbife de lagarto. Como tinha muita comida, metade da carne ficou para trás e ela virou um lindo ragú. Ragú express, mas delicioso! 

Coloquei o rosbife cortado em cubos e 1 cebola picada grosseiramente na panela de pressão com um pouco de azeite e deixei cozinhar em fogo alto até tudo começar a ficar dourado. Juntei 1 tomate picado e temperei com uns 5 raminhos de tomilho fresco, sal rosa, pimenta do reino, 1 colher de chá de pimenta caiena, 2 colheres e sopa de mostarda dijón e 1 colher de sopa de vinagre balsâmico. Acrescentei 2 colheres de sopa de farinha de trigo, misturei bem e cobri com água. Deixei cozinhar por uns 20 minutos, abri a panela e desmanchei os pedaços de carne com um colher. Acrescentei 1 colher de sopa de molho de pimenta Tabasco e deixei cozinhar mais 10 minutos em fogo baixo, com a panela destampada.

O molho ficou muuuito suculento e com um sabor bem marcante! Fez dupla bonito com um simples espaguete cozido al dente! Só faltou o vinho! 

Antes: rosbife do brunch de domingo.
Depois:  molho para o espaguete do jantar de ontem!

terça-feira, 18 de abril de 2017

Missão resgate Páscoa 1: canapé de salmão, quiche de brócolis com palmito e creme de abacate com calda de chocolate

Segunda pós Páscoa não tem jeito! Sobra comida da sexta-feira santa, do churrasco de sábado e do almoço de domingo. Então, segunda é dia de salvar tudo! E eis que bateu a maior inspiração de todos os tempos e eu cozinhei um menu completo, com entrada, prato principal e sobremesa. Sem gastar um tostão! Resgatando, além das sobras do feriado, todos os ingredientes que estavam pra vencer na minha geladeira, preparei um jantar de respeito, em poucas horas, para uma porção de pessoas! Hi five! 

O cardápio da noite foi: canapés de salmão (peixe + pão do brunch de domingo), quiche de brócolis com palmito (creme base de brócolis + palmito que sobraram da produção de tortas e quiches) creme de abacate (avocados que sobraram da comida mexicana) com calda de chocolate meio amargo (tem uma barra há meses na minha dispensa que, aliás, ainda não acabou). Rá!

Comecei preparando o patê para o canapé. Simples demais! Despedacei cerca de 1/2 filé de salmão assado que sobrou com as mãos, temperei com sal, pimenta do reino branco, salsinha picada e azeite e misturei com 1/2 pote de cream cheese até formar uma pastinha. Fatiei uma ciabatta pequena e coloquei no forno por 5 minutos. Costumo servir já montados, em uma bandeja, tábua ou prato, mas ontem servi em pratinhos individuais, pois assim o patê não deixa o pão úmido e se sobrar, é só guardar as torradinhas. Fica um charme!

Salmão do feriado de roupa nova!

Para a quiche, usei essa receita aqui! Apenas adicionei 1 xícara de palmito picado ao creme de brócolis e salpiquei a superfície com bastante queijo parmesão. Servi com uma salada de alfaces variadas. Não precisa de mais!

Dupla básica: quiche +salada

Por fim, preparei um creme de abacate rapidão com os avocados que sobraram da comida mexicana da semana passada (Rá!). Derreti 100 gramas de chocolate meio amargo no microondas, aquecendo durante 1 minuto em potência alta (em um pote de vidro refratário). Retirei do microondas, acrescentei um pouquinho de água e misturei bem, até todo o chocolate derreter e reservei. Bati no liquidificador 2 avocados, 1 copo americano de leite e 1/2 pote de iogurte. Com uma colher bailarina, passei chocolate em toda parte de dentro de 3 taças de café e completei com o creme de abacate. Fiz uma versão mais light, colocando apenas 1 colher de sopa de chocolate na superfície. Deixei na geladeira até hora de servir. 

Teve sobremesaaaaaaa!!!!
Entre um taça de vinho e outra e muitas horas depois, lá se foi a nossa segunda! Com direito a sobremesa e tudo!

Não perca amanhã a segunda parte do Missão resgate Páscoa! O salvado da vez será o rosbife! Até lá!

The end!

Gostou desse post? Curta, compartilhe, comente no Facebook, Instagram ou Pinterest!

Para ficar por dentro de todas as dicas, receitas e novidades, siga a gente por e-email!

Massa rápida para pizza

Com essa receita de massa super prática, você mesmo pode preparar pizzas deliciosas rapidamente e sem nenhuma dificuldade!  

Olha eu aí com a mão na massa! Adoro!
Junte em uma tigela grande (nessa ordem) 4 xícaras de farinha de trigo, 1 colher de sopa de açúcar e 1 de sal, 2 colheres de sopa de fermento, 4 colheres de sopa de azeite ou óleo vegetal,  2 colheres de cachaça e 4 xícaras de água. Comece misturando tudo com uma colher e depois use as as mãos para agregar os ingredientes. Quando a massa começar a desgrudar, sove por cerca de 10 minutos (se necessário, acrescente mais farinha, aos poucos) e depois deixe descansar por 10 minutos. Corte a massa em 4 pedaços, abra com o rolo em uma superfície enfarinhada e cubra  com o que quiser. Leve ao forno alto até a cobertura e a massa ficarem douradas. Não tem erro!

E essa crostinha dourada, gente?

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Risoto de linguiça toscana e carne de panela

Como um prato tão improvisado pode ter ficado tão bom? A ideia original era fazer um molho vermelho com linguiça toscana para acompanhar o macarrão, mas não tinha nem tomate e nem macarrão! O plano B foi esse maravilhoso risoto que, além da linguiça toscana, ainda salvou um potinho de carne de panela que já estava na geladeira há alguns dias. Usei arroz comum, que não deixou nem um pinguinho a desejar para o arbóreo! Esses ingredientes e um tempero bem caprichado deram um toque diferente no almoço simples do dia a dia. Amo!

Fervi cerca de 1/2 litro de água e reservei. Refoguei 1 cebola pequena, 2 dentes de alho e 1 pimenta malagueta sem sementes picados em 1 colher de sopa de azeite. Deixei cozinhar uns 5 minutos em fogo alto, mexendo de vez em quando, e depois acrescentei 2 linguiças toscanas sem pele despedaçadas com as mãos. Deixei fritar até ficarem douradas, juntei 1 1/2 xícara de arroz cru e misturei bem. Temperei com 1 colher de chá rasa de sal a mesma quantidade de pimenta do reino e 1 punhado de salsinha e cebolinha secas. Coloquei o caldo da carne de panela dentro da água fervente e acrescentei no arroz aos poucos, uma concha de cada vez, mexendo sempre, até o arroz ficar al dente. Juntei a carne de panela (cerca de 2 xícaras), misturei até os pedaços de carne desfiarem e deixei cozinhar em fogo baixo, com a tampa fechada, durante 5 minutos. Rápido + econômico + delicioso! Quem precisa de mais?

Mistureba da boa!



sábado, 8 de abril de 2017

Pâte brisée - massa podre salgada

Sabe aquela famosa massa podre para tortas, que é super crocante e derrete na boca? Como quase tudo nessa vida quando se fala em comida, é uma receita da culinária francesa e, como não poderia deixar de ser, tem nome fresco: pâte brisée. Ela é a base de todas as minhas receitas de torta - o que torna a minha vida na cozinha, digamos, um inferno...rs. Os ingredientes tem que estar gelados, não agregam fácil, se tá calor, desanda, enfim, o processo é meio complexo (digo isso porque geralmente faço de dez pra cima. Semana passada, por exemplo, fiz quase cinquenta numa tacada só!). Mas não se assuste! Quando você vai fazer uma ou duas, por puro lazer, vale mais do que a pena colocar a mão na massa! Preparado?

Comece separando os ingredientes (pra não precisar ficar caçando as coisas com as mãos cheia de farinha): 300 gramas de farinha de trigo, 1 colher de sobremesa rasa de sal, 150 gramas de manteiga gelada cortada em cubos, 1 ovo batido, água gelada. Peneire a farinha em uma tigela grande e misture o sal. Acrescente a manteiga e misture com a ponta dos dedos, desfazendo os cubos e agregando-os à massa, até ficar com a consistência de uma farofa grossa. 


Primeiro passo: agregando a manteiga.

Adicione o ovo e continue misturando com as mãos, tentando agregar todos os ingredientes. Acrescente água aos poucos, 1 colher de sopa por vez, e continue amassando com as mãos até conseguir formar uma bola. Não se deve sovar a massa, apenas amassar delicadamente, juntando os ingredientes. Ela não fica totalmente lisa, mas é assim mesmo.

Sua massa deve ficar assim - ou algo parecido... 

Embrulhe-a com filme plástico e deixe no refrigerador por 30 minutos. Para abrir a massa, abra e corte ao meio um saco plástico próprio para alimentos. Umedeça uma superfície lisa (pia, bancada, mesa) e "grude" uma das partes do saquinho. Separe um pouco mais do que a metade da massa, dê uma achatadinha com as mãos e coloque a outra metade do plástico em cima. 

Massa aberta entre os plásticos.

Abra com o rolo delicadamente, até sobrar 2 dedos para fora da forma. Coloque a massa na forma, virando o plástico sobre ela e acomodando com as mãos. Recheie com o que quiser deixando um pouco de espaço da borda. Abra parte restante da massa da mesma forma e cubra a torta. Para fechar, pressione a cobertura contra a parte da base da massa que ficou pra fora, pressionando a base da forma (cortando e dispensando a massa que sobrou), e depois belisque toda a borda da forma. Para evitar que a massa encolha, deixe alguns minutos no congelador (no máximo, 5)


Tortas enformadas, prontas para serem finalizadas!

Depois é só pincelar gema na superfície e levar ao forno alto por entre 30 e 40 minutos! Quer fazer uma torta doce? Substitua o sal por açúcar ou para uma base neutra, não coloque um nem outro. Faça e comprove: é a melhor massa para tortas de todos os tempos!


O resultado é esse aí!





quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Nhoque de abóbora moranga ao molho de tomate caseiro

Como vocês sabem, segunda entrei na missão de fazer nhoque com a abóbora mais aguada do mundo, a moranga. Foi um parto! Não quis usar a quantidade de farinha necessária para chegar à consistência ideal para não perder o sabor, então o jeito foi tentar cozinhá-los de uma forma que não desmanchassem. Não deu muito certo, mas vamos lá!

Lavei e cortei em pedaços grandes uma abóbora de cerca de 1,5 quilo. Separei em duas formas e coloquei para assar em forno alto até ficar bem macia (uns 40 minutos). Raspei a polpa da abóbora com uma colher, dispensando a casca, e amassei com um espremedor de legumes. Deixei esfriar e juntei 1 ovo, 1,5 xícara de chá de farinha integral e 1,5 xícara de chá de farinha branca. Misturei bem, até formar uma massa homogênea e grudenta (leia-se: impossível de enrolar!).

Foi aí que começou a saga. Meu marido deu a ideia de formar as bolinhas com a ajuda de duas colheres de sobremesa e ir colocando na água fervente para cozinhar. Resultado: nhoques totalmente amorfos!

 Nhoque "rústico" de abóbora moranga! Hahahaha

Outro problema era que cozinhar tanta massa iria levar uma eternidade e como era segunda e a gente esperava jantar em algum momento, esse método foi deixado de lado. 

A segunda ideia brilhante foi usar um saco de confeiteiro para soltar as bolinhas na água. Resultado: várias minhoquinhas de massa boiando na panela :D. 

Dispensa comentários!

Mas, veja só, juntando tudo isso e cobrindo com molho de tomate caseiro caprichado, até que deu pra fazer um prato bonitão!  

Nhoque tronxo + molho bonito = prato aceitável!

Como ainda tinha sobrado muita massa, com fome e meio frustrada, decidi improvisar, assando-a inteira no forno, já que era impossível manuseá-la (pode rir... mas aposto que se fosse um chef famoso você ia achar incrível! rs). Dispus a massa uniformemente em um refratário untado com manteiga, cobri com molho de tomate, 5 fatias de muçarela e salpiquei orégano. Em termos de sabor, saiu melhor do que a encomenda! 

Taí, escondidinho  vegetariano de abóbora!

Da próxima vez, juro que escolho outro tipo de abóbora. Nada pessoal, amiga moranga!

Se você curtiu esse post, curta, compartilhe e comente no Facebook, Instagram, Pinterest ou no site! Para ficar juntinho com a gente, receita por receita, insira seu e-mail aí em cima à esquerda e clique em Submit! 
Se odiou, também pode meter o pau no FacebookInstagramPinterest ou no site!!! (Nããããooooo rs!) Brincadeira, todo comentário, crítica e sugestão são bem vindos!






sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Pão integral caseiro

Acabaram-se as desculpas para não fazer pão! É demorado. Faz a maior sujeira. Tem que sovar. Tem que usar fermento biológico e estraga rápido. Nada disso! Essa receita que eu peguei no site Panelinha é rápida, fácil e feita com fermento em pó! Se ainda assim você não tomou coragem pra fazer o seu pão, leia os ingredientes descritos nas embalagens dos pães integrais industrializados que você se convencerá rapidinho a colocar a mão na massa! Eu ando tão indignada com o monte de porcarias que a gente engole (literal e figurativamente) que essa coragem toda bateu em plena segundona à noite (ia publicar terça, mas entrou uma tradução de mais de 13 mil palavras pro dia seguinte, aí já viu! Só consegui voltar retomar as coisas hoje).

Tudo começou assim, misturando os ingredientes secos - 2 xícaras de farinha de trigo integral, 2 xícaras de farinha de trigo branca, 2 colheres de fermento em pó e 1 colher de sal (tudo de chá).


Mentira! Tudo começou acendendo o forno, em temperatura alta! rs

Continuando, fui acrescentando aos poucos 400 ml de água (2 xícaras e 1/3), mexendo tudo com uma espátula para incorporar bem os ingredientes. Quando começou a ficar difícil de misturar, passei a manipular a massa com as mãos, até ficar mais homogênea (não precisa sovar). Não estranhe, ela é um pouco grudenta mesmo, mas até que fica bonitinha!

Esse copo não é meu! rs
Coloquei a massa em uma forma de bolo inglês média, ajeitei com uma espátula e fiz um corte no meio. Depois de uns 40 minutos de forno (até começar a ficar dourado), o que saiu foi essa lindeza aí!

Pão integral fresquinho, fofinho e caseiro em pouco minutos!