segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Canapé de pão sírio integral com peito de peru e cream cheese


Como enfiamos o pé na jaca nesse fim e começo de ano, sexta quis fazer um belisco mais leve. Acho que chega uma hora que não é nem questão de escolha. O próprio organismo começa a rejeitar certos tipos de alimento, como frituras ou molhos pesados. Comecei a sentir isso recentemente. Nada que eu tentei comer de mais pesado semana passada caiu bem. Dava duas ou três garfadas e já me sentia cheia. Pudera, comendo hambúrguer domingo e churrasco segunda, quarta e sábado (sem falar no resto), não há estômago que resista. Por isso, sexta escolhi essa receita simples e versátil de pão sírio integral. Em uma tigela grande, misturei 1/2 quilo de farinha de trigo integral e 1/2 quilo de farinha branca, 10 gramas de fermento biológico seco, 2 colheres de sopa e açúcar e 1 colher de sopa de sal. Fiz um buraco no meio e coloquei 2 colheres de sopa de óleo vegetal (usei o de milho) e 200 ml de leite morno e misturei com uma colher de pau. Aos poucos, juntei 400 ml de água morna, continuei misturando com a colher e depois sovei até a massa ficar homogênea (uns 15 minutos). Coloquei a massa de volta na tigela, cobri com um pano de prato e deixei descansar por 30 minutos. Nesse meio tempo, fiz o recheio: misturei cerca de 250 gramas de peito de peru ralado e uns 300 gramas de cream cheese light em uma panela até os ingredientes ficarem bem incorporados. Temperei com sal, ervas de provence secas e azeite. Voltando para a massa: dividi a massa em 2 partes, abri uma delas em formato retangular e coloquei em uma forma grande. Continuei esticando a massa com as mãos, preenchendo as partes vazias da forma. Assei no forno em fogo médio por cerca de 15 minutos. Tirei a massa do forno, cobri com a pasta de peito de peru e cream cheese, salpiquei orégano e deixei no forno mais uns 1o minutos. Para servir, cortei em pedaços pequenos, tipo canapé. No dia seguinte, fiz a mesma coisa com a massa, mas deixei mais uns 15 minutos no forno e depois cortei com as mãos em pedaços irregulares. Uma receita rendeu duas opções de petisco para comer sem (ou com menos) culpa!

Depois de cortados, ficam assim!

Também dá pra fazer uma
apresentação mais caprichada!