sexta-feira, 25 de maio de 2012

Goulash

Mal terminei de escrever o post anterior e algumas ideias já começaram a surgir na cabeça. Uma delas, que se transformou no cardápio da noite anterior, foi o Goulash, um prato húngaro feito com carne bovina, pimentões, cebola e um molho levemente apimentado. A receita original, cujo nome significa "comida de vaqueiros", levava banha de porco, ingrediente que, por razões óbvias, foi substituído com o tempo. Eu usei coxão mole, mas dá pra usa qualquer tipo de carne (claro que você não vai colocar filé mignon, maminha, picanha, contra filé e afins para cozinhar na panela de pressão, né? Dê preferência para coxão duro, coxão mole, patinho, acém, etc, que não são tão nobres e nem tão caras). Cortei a carne eu cubos, temperei com sal, pimenta e páprica picante e reservei. Tirei as sementes de um pimentão vermelho e um pimentão verde, cortei  ao meio,  e fatiei em pedaços não muito finos. Fiz o mesmo com a cebola. Coloquei cerca de uma colher de óleo de soja na panela de pressão e, em seguida, a carne. Deixei fritar até que ficasse cozida por fora e depois adicionei os pimentões, a cebola. Enquanto esse refogado cozinhava um pouco, misturei 1/3 de envelope de tempero em pó para Goulash (Goulash mix Knoor) com meio litro de água. Coloquei na panela, completei com água até cobrir a carne e tampei. Se você não tiver o Goulash mix, adicione apenas a água e capriche na quantidade de páprica. Enquanto a carne cozinhava, fiz o acompanhamento, que era polenta. A receita original é servida como uma sopa, sem acompanhamentos. Mas há versões com dumplings (um tipo de bolinho de batata e farinha), sour cream, talharini, spaetzle (aquela massinha alemã que parece um nhoque magro torcido) e acho que também funciona com legumes e batatas cozidas ou purê de batatas. Não consigo pensar na combinação com arroz, ou pior, arroz com batata palha, como já vi e quase chorei, pois descaracteriza totalmente o prato. Enfim, eu copiei a receita do querido Peter - que é suíço, cozinha maravilhosamente bem e, portanto, e deve entender alguma coisa de culinária européia - na qual o acompanhamento é polenta. Para fazer a polenta, coloquei meio litro de água para ferver e quando isso aconteceu, coloquei um tablete de caldo de carne. Separadamente, misturei bem cerca de meio litro de água com uma xícara de fubá e juntei com a água fervente. Fiquei mexendo essa água com fubá até ficar cremosa, adicionando pequenas quantidades de fubá, misturado com um pouco de água separadamente, como na primeira vez, até obter a consistência que eu queria, mais firme. Quando a polenta ficou pronta, tirei a pressão da panela da carne, adicionei salsinha e cebolinha picadas e deixei cozinhar mais um pouco, sem tampa, para engrossar o molho. Ficou uma delícia, e a marmita do dia seguinte, melhor ainda! Só faltou o o acompanhamento ideal, que eu acho que para esse prato seria uma cerveja mais encorpada, ou até de trigo. Como em casa só tinha Skol, a mexicana Dos Equis e coca zero, dispensamos a bebida. Coca zero com Goulash, não dá!

Versão original, tipo sopa

Versão da Cris, à la Peter