segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Jantar para 15 dias sem Gastar um Tostão, dia 15! Sim, conseguimos!!!

Finalmente chegamos ao último dia do nosso desafio!

E para esse dia, escolhi uma receita confortável e que me trás muitas boas lembranças!

Entre a minha infância e adolescência, ia muito num restaurante chamado Wells com a minha tia Lídia. Nosso prato favorito era o Filé de Pescada à Fiorentina, que era filé grelhado coberto com molho branco e gratinado. Era tão, mas tão suculento, que vinha num prato bem fundo, tipo um bowl, parecendo uma sopa.

Me inspirei nele para preparar esse prato porque tinha uns filés de merluza no congelador há algum tempo, cenoura e alho poró do sítio. 

Temperei 2 filés de merluza com sal rosa e pimenta do reino branca e fritei até começarem a ficar dourados.

Juntei 1 cenoura cortada em julienne, 1 alho poró fatiado e 1/2 copo de água de deixei no fogo até os legumes ficarem al dente. 

Em outra panela, fiz o molho branco: coloquei 1 colher de sopa de manteiga e quando ela derreteu, acrescentei 2 colheres de sopa de farinha de trigo. Misturei um pouco e a mistura virou um pastinha. Fui adicionando 1 xícara de chá de leite, mexendo sempre, até formar um creme menos espesso. Temperei com sal e noz moscada.

Coloquei o refogado de peixe em um prato fundo e cobri com molho branco!  

Memórias da infância!
Ficou de comer devagarinho e lamber os beiços!

Apesar de a minha versão ter sido diferente da do restaurante, cada garfada me lembrava daqueles momentos tão especiais com a minha tia! Tenho a impressão que comida memória é mais gostosa...









sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Jantar para 15 Dias sem Gastar um Tostão, dia 14: espaguete de ontem + alcatra congelada + repolho = espaguete com bombom de alcatra e repolho refogado

Tempo de preparo: 20 minutos
Número de porções: 2
Complexidade: zero

Como a ideia é não gastar um centavo e nem jogar comida fora, inventei um molho e acompanhamentos diferentes para o espaguete que sobrou da janta de ontem. 

No Brasil, a gente não tá acostumado a comer massa desse jeito, mas na Europa é bem comum! E como lá em casa temos um representante autêntico, esse tipo de prato rola bastante e eu adoro!

O Julio refogou cerca de 1/4 de repolho roxo e 1/4 de repolho branco de um jeito maravilhoso! Ele usou 1 colher de sobremesa de banha de porco para refogar 2 dentes de alho e 1/2 cebola picadinha, acrescentou os  repolhos fatiados fininho e temperou com sal rosa, pimenta do reino e semente de coentro e deixou no fogo por uns 10 minutos, até o repolho ficar macio.  

Cortei em bifes grossos 1 pedaço de cerca de 1/2 quilo de bombom de alcatra que já estava no meu congelador há alguns meses, temperei com sal e pimenta do reino e fritei numa frigideira grande com um pouco de azeite por cerca de 3 minutos cada lado. Retirei e reservei.

Na mesma frigideira, acrescentei 1 taça de vinho tinto e raspei o fundo da panela, aproveitando o caldo da carne e as raspas da frigideira. Deixei no fogo baixo, mexendo de vez em quando, até reduzir e engrossar um pouco (rapidão, uns 5 minutos).

Coloquei o resto de espaguete nesse molho e misturei bem.

Servi com o repolho e o bife de alcatra!



Mais uma comida despretensiosa que surpreendeu em termos de sabor! E esse macarrãozinho no molho da carne? Tudo de bom!



quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Desafio Jantar para 15 Dias sem Gastar um tostão, dia 13: abobrinha (de novo): espaguete caseiro com abobrinha e tomate seco!

Tempo de preparo: aproximadamente 40 minutos.
Nº de porções: 2 saradas ou 3 normais
Complexidade: de fácil para moderada

Quando a gente fala em "molho" para massa, logo pensa em um molho propriamente dito - de tomate, branco, rosé - no qual a massa fica meio imersa.

Mas a verdade é que quando se trata do assunto, a criatividade - e o que você tem na geladeira, claro - é que mandam! Os ingredientes que podem ser usados e as formas de preparo são infinitas!

Já quando se fala em massa caseira, o que vêm à cabeça é bagunça, trabalho, demora. Mas vamos ser honestos, a bagunça é inerente ao ato de cozinhar. No momento em que você decide ir para a cozinha, já sabe que vai sujar louça, superfícies, utensílios, etc. Trabalho? Mentira. É só misturar tudo, amassar por alguns minutos e depois cortar. Demora, muito menos! A não ser que você decida fazer, digamos, um cappeletti, não se gasta mais do que 2o minutos pra preparar uma massa. 

Então, por favor, sempre que possível, prepare a sua própria massa! É mais saudável! É mais gostoso! É mais barato!

Julião que, mais uma vez, se dispôs à tarefa, que o diga!

Ele despejou 2 xícaras de farinha de trigo em uma tigela, fez um buraco no meio e acrescentou 2 ovos e uma pitada de sal. Misturou com uma colher e depois foi acrescentando água para dar liga e misturando com as mãos. 

Quando a massa ficou homogênea, transferiu para uma superfície enfarinhada e sovou até a ficar e lisinha (às vezes precisa colocar mais farinha).  Fica linda demais!

Cortou em 3 pedaços e esticou cada um deles com a ajuda de uma máquina de macarrão, começando com a espessura maior (número 0) e passando por todas as demais, até chegar na menor (número 4). 

Depois de esticada, passou a massa na peça de corte da máquina, com abertura pequena, para o espaguete ficar fininho (você pode fazer tudo isso na mão, esticando a massa com um rolo de macarrão e cortando as tiras com a faca). 

Colocou o espaguete em uma forma pra secar e depois cozinhou em bastante água fervente com uma colher de sal, até ficar al dente.

Enquanto isso fiz o molho, fácil, fácil:

Em uma frigideira funda, fritei 4 dentes de alho laminados em 1 fio de azeite até ficarem dourados e adicionei 1 abobrinha ralada e 1 xícara de tomate seco cortado em tiras finas, com um pouco do seu óleo. Temperei com sal e pimenta do reino e misturei bem. 

Deixei no fogo médio até a abobrinha cozinhar e depois misturei o espaguete.

Na panela já ficou bonitão, não ficou não?

Deixei mais cerca de 5 minutos no fogo baixo, mexendo de vez em quando.

Servi num prato chique pra fazer jus a preparação! 

A dupla massa + abobrinha fazendo
 bonito mais uma vez!

O nosso desafio Jantar para 15 Dias sem Gastar um Tostão tá chegando a fim! Fala pra mim, conseguiu fazer alguma receita sugerida ou só aplicar a regra no dia a dia? Há algum ingrediente em especial que você gostaria de reaproveitar com mais criatividade? Deixe seu comentário aí embaixo ou nas redes sociais! Quero muito ouvir a sua opinião!

Até mais!











quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Desafio Jantar para 15 Dias sem Gastar um Tostão, dia 12: abobrinha viajante = pizza de abobrinha!

Poucas coisas são mais simples e prazerosas no mundo do que preparar um bela massa. Pode ser de torta, de pão, de pizza... o que importa é a sensação de relaxamento que focar em uma atividade trás e depois ver a beleza da transformação de uma massa plana e sem graça naquela coisa fofa, dourada e cheirosa!

Domingo foi dia de salvar 1 das 2 abobrinhas do sítio que estavam na geladeira. Foram trazidas do sítio pelo Peter (meu paidastro e amigo do peito!) há umas 2 semanas, voltaram para o sítio no feriado com a intenção de serem grelhadas na churrasqueira, ficaram esquecidas na geladeira do sítio e depois voltaram para a minha. Então, um fim digno era mais do que merecido!

Pra começar, meu marido, também conhecido como Julio, preparou uma massa como manda o figurino

Em uma tigela grande, ele misturou 1 xícara de chá de leite , 2  colheres de sopa de açúcar cristal, 1 colher de sopa rasa de fermento biológico seco e 1 colher de chá de sal e depois foi acrescentando aos poucos 2 xícaras de chá de farinha de trigo.

Depois, colocou a massa (ainda meio grudenta) em uma superfície enfarinhada e foi adicionando mais farinha e sovando, até obter uma massa lisa e homogênea.

Colocou de volta na tigela, cobriu com um pano de prato limpo e deixou descansar até a massa dobrar de tamanho (o tempo vai depender da temperatura ambiente).

Nesse meio tempo, ralei 1 abobrinha pequena e cerca de 100 gramas de queijo mozarela (pasmem, a grafia é essa assim mesmo!).

Julião abriu a massa com um rolo, cobriu com uma camada bem fina de molho de tomate, acomodou a abobrinha ralada em cima e cobriu com a mozarela.

Depois de 10 minutos no forno médio, já estava linda e brilhante, prontinha pra comer!


Pizza de massa caseira com
abobrinha orgânica! Um luxo!

Se você não faz massa em casa porque acha difícil, demorado e faz muita bagunça...bom, pelo menos em relação à esse último quesito você tem razão!rs Mas quanto aos outros, terei que discordar e até te desafiar! Juro que, contando com a preparação da massa, do recheio, e o intervalo para a massa crescer , não dá 1 hora! O tempo de sova também não precisa ser muito longo e a massa é só fácil e gostosa de manusear! Momento relax total! (Sou suspeita...rs).

Maaaaas, se  você quiser uma massa mais rápida e prática, essa receita que usa fermento em pó tradicional, de bolo, é a ideal! Dá um pouco mais de trabalho abrir, pois é mais elástica, mas é muito fácil de preparar e muito, muito saborosa!

Antes de pensar em encomendar a próxima pizza, dá um olhadinha nesse post pra se inspirar a fazer a sua própria! Chame os amigos, abra uma garrafa de vinho e mãos à obra! A diversão é garantida!




terça-feira, 7 de novembro de 2017

Jantar para 15 Dias sem Gastar um Tostão, dia 11: jantar especial num dia comum com a linguicinha que sobrou do churrasco!

Sobrou linguiça do churrasco na primeira semana do desafio. A gente reaproveitou um pouco no mexidão de quinoa e congelou o resto. 

Domingo passado teve churrasco de novo e a gente descongelou a linguiça. Sobraram dois exemplares que não podiam voltar para o freezer e também não durariam até o próximo churrasco.

A gente não curte comer linguiça durante a semana porque, vamos dizer, tá longe de ser um alimento que faz bem para a nossa saúde. Mas como a gente gosta menos ainda de jogar comida fora, bora dar cabo da linguiça!

O alho poró também tem aparecido bastante nos últimos dias, porque, deixa eu contar! Primeiro: há algumas semanas fui no Ceagesp do centro e simplesmente não consegui ignorar o maço de 12 alhos-porós enormes por meros 10,00! Quem compra sabe que o ingrediente é o olho da cara nos mercados tradicionais. E segundo: algumas semanas depois, o Peter trouxe um montão do sítio e ainda tem um montão nascendo. É alho-poró pra dar, vender, emprestar e, claro, comer. Então, dá-lhe alho-poró! 

Enfim, nesse nosso décimo primeiro dia do desafio ambos viraram risoto. Eu usei arroz branco comum mesmo e ficou tão bom quanto a receita tradicional, com arbóreo. Vença o preconceito e tente você mesmo!

Explicações devidamente dadas, vamos ao risoto!

Comecei fazendo um caldo de legumes rapidão: em uma panela grande, coloquei 1 litro de água, 1/2 cebola com alguns cravos espetados, as folhas de alho poró que eu não ia usar, 1 cenoura cortada ao meio, grãos de pimenta do reino e folhas de louro. Deixei no fogo baixo até ferver e depois mais uns 15 minutos.

Refoguei 1/2 cebola e 2 dentes de alho em um fio de azeite, como sempre, e acrescentei as linguiças sem pele, desmanchando os grumos com as mãos para formar pedaços pequenos. Deixei no fogo até água secar, a linguiça ficar dourada e quase grudar na panela.

Acrescentei 1 xícara de arroz, deixei dar aquela fritadinha boa e depois pus 1 taça de vinho branco seco (usei o sauvignon blanc). Fiquei mexendo até o vinho secar, depois adicionei outra taça e fiz o mesmo.

Quando a segunda taça de vinho evaporou, comecei a acrescentar o caldo de legumes, concha por concha, e mexer até o líquido secar. Fiz isso até o arroz ficar al dente (parcialmente cozido, não muito macio).

Juntei 1 alho poró limpo e fatiado, deixei mais uns 2 minutos no fogo só pra cozinhar um pouquinho.

Desliguei o fogo, acrescentei 1 colher de sopa de manteiga sem sal e 1 xícara de chá de provolone ralado.

E...tchanaaaan!!!! Prato bonito, suculento, saboroso

Concentração agora pra comer devagarinho, sem TV, sem celular, degustando cada garfada, sem nada mais do que uma boa taça de vinho e a companhia maravilhosa do meu lindo marido, Julio!


Comida simples com roupa de gala!

A vida é boa!

Até amanhã! 










quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Jantar para 15 Dias sem Gastar um Tostão, dia 10: a batata doce e 2 hambúrgueres podem virar um lindo prato típico inglês, a shepherd's pie! Duvida?

Galera, houve um pequeno gap no nosso desafio Jantar para 15 Dias sem Gastar um Tostão por conta do feriado! Fui para o sítio da minha família no interior de São Paulo e apesar de ser bem pertinho, o 4G não existe e o 3G é precário, então não consegui publicar nada! Desculpem por isso!

Mas isso não significa que o desafio ficou de lado! Afinal, graças ao bom Deus, fogão ainda não precisa de internet pra funcionar. 

Essa semana encaramos a reta final da nossa proposta de preparar 15 pratos apenas com ingredientes que temos em casa, sem passar no mercado nem pra comprar cebola! Porque você sabe muito bem o que significa essa breve e aparentemente inofensiva visita ao mercado: ingredientes a mais na sacola e dinheiro a menos no bolso. E comida estragando na geladeira. 

O dia 10 do nosso desafio trouxe uma versão diferente de um prato inglês tradicionalíssimo, a Shepherd's Pie, que é carne moída refogada coberta com purê de batata e gratinada. 

A batata da vez foi a doce, que provavelmente protagonizaria seus últimos e tristes dias entre nós na fruteira de casa, não fosse seu fim glorioso nessa deliciosa Shepherd's Pie. Amém! 

A carne moída veio de dois hambúrgueres que sobraram de um evento do final de semana. Queria um fim menos óbvio do que colocá-los no meio de um pão, então viraram o refogadinho da minha torta. 


As vítimas!

Comecei cozinhando as batatas doces (não consegui salvar metade da maior 😭) descascadas e cortadas em cubos em uma panela com água e bem pouco sal. 

Depois, refoguei em outra panela 1/2 cebola e 2 dentes de alho picadinhos em um fio de azeite - nessa ordem, pro alho não queimar. 

Quando o alho começou a ficar dourado, acrescentei a carne aos poucos, desmanchando as bolotas com as mãos para ficar bem soltinha. Já estava temperada, mas complementei com 2 raminhos de tomilho, 1 punhado de páprica picante, 1 punhado de canela em pó e pimenta do reino.

Deixei no fogo alto até a água secar e a carne ficar douradinha e depois acrescentei 1 cenoura cortada em cubos pequenos e 1 xícara de ervilhas orgânicas (ambas do sítio, uma alegria!).

Adicionei 1 colher de sopa de farinha de trigo e 1/2 copo americano de água, misturei bem, diminui o fogo e deixei cozinhar até os legumes ficarem al dente.

Escorri as batatas e espremi com um garfo mesmo, porque queria um aspecto mais rústicos (tá na moda...rs). Juntei 1 colher de sopa de manteiga sem sal e 1 xícara de leite. Deixei no fogo baixo por uns 5 minutos, misturando sempre com um batedor.

Enchi duas tigelinhas refratárias com o recheio de carne até sobrar uns dois dedos da borda, completei com o purê de batata e salpiquei queijo ralado. 

Levei o forno alto (pré-aquecido) por una 10 minutos, até o queijo derreter e superfície ficar moreninha. 


Em tigelinhas individuais, dá pra comer no sofá! Oba!

Geralmente faço num refratário grande, pra todo mundo poder se servir à vontade, mas como a quantidade era pequena, fiz em duas tigelinhas individuais!

A Shepherd' Pie é um prato que eu adoro e faço bastante, mas nunca tinha feito com batata doce. Ficou divino! A única decepção foi que deu tão pouquinho que nem deu pra repetir!

Acho que chegamos no décimo dia com louvor, o que você acha? Conseguiu seguir o desafio até aqui? Reproduziu alguma das receitas em casa? Fala pra mim como está sendo a sua experiência! 

Semana passada ainda teve risoto de linguiça toscana e alho poró e sanduíche natural de frango!

Vou tentar postar tudo rapidão pra gente não perder o fio da meada!

Ah, e não esqueça dar aquele curtidinha básica que a gente gosta ou compartilhar com os coleguinhas!

Até a próxima!

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Jantar para 15 Dias sem Gastar um Tosão, dia 9: 5 passos para transformar a carne moída, o feijão e o arroz de ontem em um delicioso jantar mexicano!

Tempo de preparo: aproximadamente 30 minutos
Nº de porções: 4 
Complexidade: fácil

Uma boa saída para aquela carne moída cansadinha que você tem aí na geladeira é um belo chilli com carne! Se sobrou arroz e feijão também, que maravilha! Em poucos minutos você consegue preparar um jantar totalmente novo e diferente usando esses ingredientes tão comuns do nosso dia a dia!

Você encontrará variadas receitas de chilli com carne na internet, que geralmente se resumem a carne moída, feijão, condimentos e pimenta. E coentro! Chilli com carne sem coentro é simplesmente carne moída refogada com feijão. Não é essa a nossa intenção, né?

O legal é que sempre dá pra adaptá-la com o que a gente tem dispensa (só não vale aqueles pózinhos de tempero pronto para taco, pelo amor de Deus!). Basta uns temperinhos frescos básicos para dar à carne moída e ao feijão nosso de cada dia um saborzinho mexicano!

Em uma panela grande, aqueci 1 colher de sopa de azeite e refoguei 1 cebola média, 3 dentes de alho e 1 pimenta dedo de moça bem picadinhos. 

Quando começaram a ficar dourados, juntei uns 500 gramas de carne moída aos poucos, desmanchando os pedaços maiores com a colher até ficar bem soltinha. Temperei com sal e pimenta do reino e deixei no fogo alto até toda a água secar e dar uma dourada na carne.

Juntei 1 xícara de coentro picado, 1 colher de café de páprica picante e 1 colher de café de canela em pó e deixei cozinhar por cerca de 10 minutos no fogo médio..

Acrescentei 2 xícara de feijão cozido, 1 lata de tomate sem pele (se não tiver, use tomates frescos cortados em cubos ou molho de tomate pronto) e 1 taça de vinho tinto. 

Ficou no fogo baixo mais uns 10-15 minutos, até o caldo ficar bem grosso. Se precisar, coloque mais água no meio do caminho e ajuste o tempero, principalmente a pimenta: se estiver muito suave, adicione umas 2 colheres de molho de pimenta ou pimenta calabresa em flocos.

Para completar, o Julio fez um arroz apimentadão, refogando cebola e alho, 1/2 colher de chá de coloral e 1/2 colher de chá de pimenta chipotle em pó e cozinhou como de costume. 

Os tradicionais nachos, tortillas e tacos, ou apenas o chilli com carne em uma cumbuquinha também caem bem!


Simples e gostoso!

Ta aí: arroz, feijão e carne moída totalmente renovados nesse 9 dia do nosso desafio! Só faltam 6! Ariba!