quinta-feira, 17 de maio de 2018

Comer sem neuras!

Manter uma alimentação saudável durante a semana é um desafio para a maioria das pessoas que seguem uma rotina 9/5, senão para todos nós. 

Quando comemos em casa, é muito mais facil fazermos escolhas melhores e prepararmos nossas refeições de um jeito mais saudável e gostoso. Quando almoçamos "fora" (pra mim almoçar fora é colocar a mesa no quintal, no gramado do sítio, na varanda do apê, enfim...rs), buscamos uma refeição relativamente rápida, relativamente gostosa e barata. Ou seja, de qualidade duvidosa.

Quando procuramos comidas rápidas e baratas,
geralmente, a qualidade não é lá essas coisas... 

Mas também, não vejo problema nenhum 
em um cachorro quente grandão de vez em quando!

Acontece que nos últimos tempos se criou uma visão meio distorcida sobre a tal da alimentação saudável. O que é comer de um jeito saudável? Cortar o carb, o glúten, o açúcar? Investir uma fortuna em alimentos da moda, suplementos e ingredientes exóticos?

Ótimos alimentos! E só!
O que tenho visto é cada vez mais gente se esforçando e sofrendo para comer bem, consumindo ingredientes que mal sabem o que é, de onde vem e pra que servem. Ou pior, comendo pó! Whey no café da make, shake no almoço, no lanche da tarde... Écati! Quando a intenção é substituir um lanche, um pós treino, até vai. Mas uma refeição? Sei não...

Sem falar no tal do jejum intermitente? Isso não vou nem comentar...

Isso é comida, gente?
Na minha vida alimentar, sempre vivi o dilema sobre o que "pode" e o que "não pode" comer, porque cada ano chega uma onda nova pra confundir mais ainda a nossa cabeça e o nosso estômago e a gente fica perdidinho tentando fazer a coisa certa.

No fundo, sempre acreditei na comida normal, da vovó e da mamãe: café com leite + pão, salada de alface, tomate e cebola + arroz + feijão + frango ensopado, cafézinho com bolo no fim de tarde e quem sabe uma massinha à noite. 

A verdade é que preparar - ou apenas escolher e consumir - uma boa refeição não precisa ser tão difícil e sofrido assim! Uma alimentação de qualidade está muito mais perto do que se imagina! 

Vamos pensar na comida que sua mãe preparava para você quando era criança. Em como os seus avós cozinhavam e comiam. Talvez assim, a gente consiga voltar a comer de forma natural e deixar de alimentar uma industria calcada em promessas e modismos. E, finalmente, fazer as pases com a comida!

Esse prato causaria arreperio em qualquer musa fit. 
Mas, fala sério, o que tem de mal em um prato de carne, 
batata e um molho suculento?





sexta-feira, 11 de maio de 2018

Abóbora japonesa assada com calabresa defumada, bacon e biquinho. Paradise is here!!!

O resultado desse jantar totalmente improvisado me supreendeu! Fui catando o que tinha pronto ou semi pronto na geladeira, sem muita ideia do que ia fazer, e acabou dando certo!

Primeiro, pensei em unir um lagarto desfiado e abóbora pescoço e transformar em um escondidinho. Mas achei meio chato e óbvio, porque tava querendo da sair da mesmice e cozinhar um prato diferente. 

Na cozinha, é muito fácil a gente cair na mesmice. Se você for prestar atenção, a gente costuma comprar sempre os mesmos ingredientes e preparar da mesma forma, às vezes até sem querer. Aí o cardápio acaba ficando pouco criativo, pouco variado - inclusive em termos nutricionais - e sem graça, inclusive de preparar. 

Devaneios à parte...

Avistei uma única calabresa defumada e, meio sem rumo, cortei em cubos e fritei em um pouco de azeite. 

Um pequeno pedaço de bacon meio que pulou no meu colo, então taquei ele na frigideira também! Fritei tudo até ficar bem dourado. Retirei da frigideira e coloquei em uma chapinha de ferro.

Ia quase  me rendendo e fatiando uma cebola, quando lembrei de um pedaço de abóbora japonesa assada que tinha sobrado de umas preparações do dia anterior! E foi exatamente ela que salvou a calabresa de se tornar uma simples acebolada!

Cortei em cubos, dei uma salteada de leve na mesma frigideira e, pra dar o toque final,  misturei umas 10 pimentas biquinho. 

Coloquei tudo de volta na chapinha e ficou essa boniteza aí! E o sabor, gente? De comer rezando! 

A foto foi tão improvisada quanto a comida!
Mas que ficou bom, ficou! rs

quinta-feira, 29 de março de 2018

Arroz de Páscoa econômico

Pescados estão o olho da cara! E com a chegada da Páscoa, tudo piora. A maioria dos comerciantes brasileiros é oportunista e não se contenta em ter uma margem razoável e contínua. Quer ganhar tudo que pode o mais rápido possível. Quer exemplo melhor disso do que os preços exorbitantes aos quais somos sujeitos durante a temporada de verão nas praias? A latinha de cerveja que custa 5 reais durante o ano, passa a custar 8 no verão. Freud explica? Não, ninguém, nem nada explica. As pessoas procuram retorno rápido, em tudo na vida. Mas o retorno vem tão rápido quanto frágil e no próximo verão ninguém tá ali. Por que será?

Pra fugir dessas armadilhas que sempre aparecem nas datas comemorativas, a gente tem que rebolar e encontrar alternativas mais em conta do que as estrelas da vez: o Peru do Natal e o bacalhau da páscoa, por exemplo. Isso sem falar no tal ovo de chocolate.

Pensando nisso, resgatei uma receita que fiz em algum dia do passado e que cabe bem pra ocasião. Não precisa de bacalhau. Não precisa de salmão e nem de camarão. Dá pra fazer um almoço bacanão na sexta-feira sem gastar os tubos!

Melhor: em poucos minutos, com poucos ingredientes.

Anote aí e salve a sua Páscoa (e o seu bolso)!

Primeiro, preparei um arroz com acafrão: refoguei 1/2 cebola e 2 dentes de alho em 1 colher de sopa de azeite. Quando começaram a ficar dourados, acrescentei 1 colher de chá de açafrão (ou cúrcuma, nome da moda) e um pouco de pimenta do reino branca. Misturei até tudo ficar bem amarelinho.

Acrescentei 1 xícara de arroz branco, 1 punhado de sal e 3 xícaras de água. Cozinhei até um pouco antes do ponto.

Nesse meio tempo, temperei 3 filés de Polaca do Alasca com sal e pimenta do reino. A Polaca do Alasca é uma espécie de peixe branco da família Gadidae, a mesma do bacalhauÉ magrinho, tem baixo teor de carboidrato e colesterol, é excelente fonte de proteína e minerais e fornece 537 mg de ômega-3 a cada 100 gramas. Detalhe: custa menos do que a metade do que o primo famoso.

Continuando: fritei os lindos filés em um pouco de azeite extra virgem até sua superfície começar a dourar e depois e acrescentei no arroz com açafrão, inteiros mesmo, junto com 1 (ou mais?) xícara de ervilhas frescas e 1 colher de sopa de mostarda Dijón com sementes (pode ser só a semente ou só a mostarda). Misturei bem, despedaçando os filés, e finalizei com pimenta do reino moída na hora. 

Para decorar, usei 2 ovos cozidos cortados em meia lua. Dá pra complementar com salsinha, cebolinha, pimenta picada, ao gosto do freguês!

Me fala se com esse prato bonito, barato e simplesmente delicioso (quem disse que não dá pra ter tudo na vida?), tem sexta-feira santa que passe em branco? Ainda dá tempo de chamar a família para o almoço de amanhã!


Existe Páscoa sem bacalhau! 



terça-feira, 27 de março de 2018

Filézinho suíno caramelizado com arroz e couve refogada

Durante a semana costumo almoçar na casa da minha mãe porque é bem perto do trabalho. Antes que vocês pensem, "que mordomia, tem a mamãe pra cozinhar!", já adianto que não é bem assim. Trabalhamos juntas e às vezes dividimos o divide fogão pra adiantar o expediente. 

A ideia (da Rita, claro) era fazer uma peça pequena de filé mignon suíno de um jeito diferente. Eu, com zero inspiração, pensei - e falei - "mas assim, de bate e pronto"? Ela sugeriu "pelo menos temperar de um jeito diferente" e eu  já fui atacando a torre de temperos secos que ela tem no balcão da cozinha. Daí até a ideia final do prato foi um pulinho! (Gratidão aos temperos! 🙏).

Cortei uma peça de cerca de 1 kg em vários filézinhos pequenos, temperei com alecrim, tomilho, sal, pimenta do reino e 1/2 limão e reservei.  

Em uma frigideira grande, acrescentei 2 colheres de sopa de açúcar e deixei no fogo até começar a virar uma calda. Fritei os filés dos dois lados por seca de 5 minutos (até ficarem bem dourados) nessa calda.

Piquei a cebola e o alho e acrescentei na panela que já estava com um fio de óleo no fogo. Mamis fritou até começarem a ficar transparentes e adicionou cerca de 1 1/2 xícara de arroz branco. Deu aquela fritadinha básica, acrescentou um punhado de sal e umas 3 xícaras de água. 

Lá em casa não se lava arroz, não se esquenta água, nada disso. Só coloca de água o dobro da medida do arroz, cozinha com a panela tampada até a secar a água de cima, tira a tampa e cozinha no fogo baixo até quase toda a água secar. Sempre deixo terminar de secar com o fogo desligado.

A couve é uma atração à parte na casa da minha família. Minha linda vovó Zenaide cozinhava assim, a Ritinha cozinha assim e eu... bom, sou a única que não cozinha assim e prepara do jeito tradicional mineiro (bem fininha e quase crua).

Mas enfim, a forma tradicional da família Teixeira é assim: cebola + alho picados refogados em azeite + couve fatiada não tão fininha + tomate picado. Cozinha até começar escurecer e pronto. Fica boa demais!!!

E o nosso prato ficou assim, bonito de se ver e de comer!

Almoço durante a semana em casa,
fresquinho, feito a quatro mãos, com a mamãe?
É muita felicidade! 😍😍😍😍😍



terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Risotinho de alho poró com fraldinha acebolada

A primeira coisa que faço quando vou cozinhar é ver se tem alguma coisa pronta abandonada na geladeira. Se tem, o próximo passo é pensar em uma forma de reaproveitá-la em uma nova preparação. 

Dia desses resgatei um creme base para quiche, um pacotinho de arroz congelado e  uma fraldinha que sobraram de outros carnavais para fazer um risotinho com carne que foi um sucesso! Jantar gostosão, custo zero, garantido!

Para fazer o risoto, refoguei 1/2 cebola e 1 dente de alho em um fio de azeite, misturei o arroz pronto (umas 2 xícaras) e depois juntei o creme de alho poró (creme de leite fresco + 1 ovo + alho poró temperados com sal + pimenta do reino + noz moscada). Deixei no fogo médio durante apenas 5 minutos, até tudo ficar bem misturadinho e quentinho!

A fraldinha, eu fiz numa forma de bolo retangular antiaderente. Temperei com sal e pimenta do reino e fritei no azeite, cerca de 5 minutos cada lado.


Frigideira grande improvisada.
Quem não tem cão, caça com gato...

Tirei a fraldinha da forma e coloquei 2 cebolas cortadas em meia lua. Acrescentei mais azeite e fritei de todos os lados, até as superfícies ficarem bem douradas! 

Fatiei a fraldinha, soltei as pétalas da cebola e servi com o risoto. Só sobrou pra contar a história...


A janta ideal: bonita, gostosa e econômica!






quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Lombo ao molho de laranja com tutu de feijão e couve

Domingo em casa geralmente é um Deus nos acuda culinário. Não me lembro do último domingo que fiz um almoço de respeito. Geralmente é dia de resto do churrasco, pastel, lasanha congelada, e por aí vai... Porque domingo é dia da preguiça (e da ressaca...rs).

Mas num domingo qualquer de janeiro, acabei planejando tudo no dia anterior e rolou um típico almoço de domingo dar gosto!

Passei tanto tempo na cozinha que dificilmente conseguiria prepará-lo em outro dia. Foi relativamente fácil, mas até tudo ficar pronto levou um tempão! O lombo foi inspirado numa da receita chef Elzinha Nunes, proprietária do restaurante Dona Lucinha e apresentadora do programa Condimentos, da Chef TV (amo!). Vale cada minuto na cozinha e cada panela usada! 

Primeiro, lavei o lombo, furei a superfície com um garfo e deixei de molho na água com 200 ml de suco de limão por 1 hora.

Nesse meio tempo preparei os ingredientes da marinada: 250ml de suco de laranja, 1 cebola média picada, 5 dentes de alho espremidos, sal e pimenta do reino.

Juntei todos esses ingredientes e despejei no lombo, esfregando bem na superfície. Deixei descansar por 1 hora na geladeira (a receita pede 24, mas reduzi "um pouquinho"... rs).

Em uma panela alta, juntei 2 colheres de sopa de banha de porco e 1 colher de sopa de açúcar e deixei no fogo baixo até o açúcar derreter e formar uma calda dourada e rala.

Selei o lombo, fritando todos os lados até ficarem dourados. Juntei a marinada e mais 500 ml de água e cozinhei por 40 minutos com a panela tampada.


Antes...


... e depois!

O tutu:

Comecei cozinhando 2 xícaras de feijão carioca em água (até cobrir), 1 colher de chá de sal e 1 fora de louro na panela de pressão. Leva uns 20 minutos.

Em uma panela grande, fritei 100 gramas de bacon fatiado, 250 gramas de linguiça toscana e depois refoguei 1 cebola picada, 3 dentes de alho amassados e 1 pimentão vermelho picado.

Coloquei todo o feijão cozido, deixei uns 15 minutos no fogo baixo, com a panela aberta e depois adicionei cerca de 1 xícara de farinha de mandioca bem aos poucos, mexendo sempre. Quando começar engrossar, pode desligar.

A couve:

Fácil, fácil! Lavei, tirei os talos e fatiei bem fininho 1 maço de couve. Refoguei 4 dentes de alho picados em 2 colheres de sopa de azeite extra, coloquei a couve picada, temperei com sal e deixei cerca de 2 minutos no fogo médio, mexendo sempre, para tudo cozinhar por igual. 

Pegue um domingão, chame os amigos e encare a cozinha você também! Comida suculenta e confortável, com gosto de casa da vó, não tem preço!

Olhando agora, meu prato ficou meio humilde, não?










sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Saladinha básica de grão de bico e brócolis

Gente, nem eu tô aguentando essa minha onda light! Você não sabe o que me deu vontade de comer dia desses! Sim, grão de bico! Acho que nunca na minha vida tive vontade de comer grão de bico! Sobrou uma boa quantidade do hambúrguer vegano e eu usei um pouco pra fazer essa deliciosa e simples salada, que foi a minha janta de um dia qualquer da semana passada.

Nem precisa de receita, mas vou te contar mesmo assim!

Cozinhei 2 xícaras de grão de bico em 4 xícaras de água até ficar bem macio.

Misturei 1 tomate grande e 2 xícaras de brócolis branqueado (separei as flores e cozinhei em água fervente por cerca de 2 minutos e depois piquei grosseiramente) picados.

Temperei com limão, azeite e sal.

Na cozinha, às vezes menos também é mais!

Mais uma jantinha vegetariana e linda!
 To gostando dessa brincadeira!