quinta-feira, 26 de abril de 2012

Dias corridos = mais improviso!

No dia seguinte, adivinha o que aconteceu? Tudo isso virou um prato completamente diferente. Fatiei os legumes já cozidos e refoguei com um pouco de cebola e creme vegetal Becel. Até esse momento, a minha intenção era fazer um molho para o pene integral, mas logo lembrei  que (ainda!) tinha o arroz de domingo e os legumes viraram ingrediente de um arroz agridoce picante. Misturei na panela com os legumes mais ou menos duas xícaras do arroz pronto, uma colher de café de páprica picante, algumas gotas de molho de pimenta malagueta e uma colher de sopa de syrup (aquela calda que se come com panquecas e waffles mesmo), mexendo entre um ingrediente e outro.  A intenção era usar leite de coco, para dar um toque asiático, mas não tinha. Enfim, deixei no fogo mais alguns minutos e o resultado foi um sabor bastante exótico, um pouco adocicado e muito apimentado. Não sei que bebida cairia bem com isso, então fui de suco Clight de pêra (que também já estava pronto na geladeira). Trabalho zero e fome também!

Virou o arroz agridoce de terça!

Dias corridos = improviso!

Essa semana foi (tá sendo) osso. Nada de cervejinha na varanda. Nada de horas na cozinha. Nada além de horas e horas de trabalho, no escritório e em casa. No meio dessa correria, até que consegui ter inspiração e pique pra inventar uma coisa ou outra, bem simples. A primeira regra quando a intenção é fazer um prato rápido é explorar a geladeira e planejar o prato com base no que tem lá dentro. O que acontece comigo é que eu pulo a fase do planejamento - vou pegando o que tem e os possíveis pratos vão surgindo na cabeça. Muitas vezes, começo a cozinhar pensando em uma coisa e vou mudando de ideia no meio do caminho.  Ou simplesmente começo a cortar, refogar e o prato vai tomando corpo no meio do processo. O que importa é que sempre fica bom (leia-se: dá pra comer). Segunda-feira a bóia foi bem simples. Peguei uma abobrinha, um pimentão e dois tomates e fatiei tudo verticalmente. Temperei só com sal e fritei com um fio de azeite na bistequeira (para dar aquela impressão de que os legumes foram grelhados). "Grelhei" cada legume separadamente, regando com um pouco de molho shoyo no meio do caminho. As fatias de pimentão e abobrinha devem ter ficado cerca de cinco minutos no fogo (cada lado) e as de tomate apenas um minuto (não precisa virar). Depois de prontos, juntei os legumes em um recipiente e adicionei mais um pouco de azeite e pimenta do reino. Reservei. Temperei dois bifes de contra filé com sal e pimenta e fritei na mesma bistequeira (limpa), com um pouco de óleo em spray. Para acompanhar, o arroz de domingo fez bonito com a cenoura ralada de outrora! 

O contra filé com arroz e legumes de segunda...




terça-feira, 24 de abril de 2012

Feijoada

A intenção sábado era fazer um salmão grelhado, mas quando acordei e vi aquele tempinho mais fresco, me enchi de razão e decidi fazer uma feijoada de última hora. O fato de eu ter a maioria dos ingredientes incentivou essa decisão. Só faltavam a carne de porco e a carne seca. Comprei costela e  lombo, mas me recusei a pagar quase R$ 19,00 em MEIO quilo de charque no Pão de Açúcar. Conclusão: vai rolar um improviso com o lagarto descongelado na noite anterior! Então vamos lá! Cortei a costela e o lombo salgados e coloquei para cozinhar. Para tirar completamente o sal deixo a carne ferver durante uns 10 minutos e troco a água. Faço isso umas 4 vezes ou até a carne ficar bem molinha e estiver completamente dessalgada. Coloquei um pouco mais de meio pacote de feijão preto para cozinhar na panela de pressão com bastante água, duas colheres de sal e folhas de louro. Enquanto a carne e o feijão cozinhavam, fatiei a linguiça calabresa defumada e piquei a cebola, o alho, o bacon e a couve e fiz a farofa. Para a farofa, usei meia linguiça calabresa picada, meia cebola, uma colher cheia de margarina e um ovo. Fritei a calabresa na manteiga, acrescentei a cebola e deixei cozinhar até ficar bem dourada. Adicionei duas xícaras de farofa pronta temperada nesse refogado, um pouco de salsinha e misturei tudo. Para não ficar tão seca, acrescentei um ovo e misturei bem. Farofa pronta. Próximo passo: improvisar a carne seca. Cortei o lagarto em cubos e temperei com bastante sal grosso. Deixei descansar um pouco e coloquei para cozinhar numa panela normal com água. Depois de ferver, troquei a água e coloquei para cozinhar na panela de pressão por cerca de meia hora. Quando o feijão ficou pronto (uns 10 minutos depois da panela pegar pressão. Ele deve estar um pouco duro, pois vai terminar de cozinhar com a carne), fritei o bacon, a cebola, o alho e a linguiça em um pouco de óleo em outra panela. Juntei metade do feijão, acrescentei os temperos - salsinha, pimenta do reino e pimenta calabresa e um pouco de sal - e deixei cozinhar durante uns 5 minutos e acrescentei o restante do feijão. Enquanto o caldo do feijão engrossava, fiz o resto dos acompanhamentos - arroz, couve e banana à milanesa. Ou melhor, não fiz nada. Inacreditavelmente o gás acabou! Sério isso, bicho? Sério. Mas isso não seria problema, afinal de contas, estamos em São Paulo e há várias empresas de entrega de gás, certo? Errado. Pelo menos em um sábado de feriado. Depois de ligarmos para praticamente todas as empresas de entrega de gás listadas no Google, sem sucesso, foram Julio e André à busca do gás perdido. Enquanto isso, a platéia faminta - já era 4 da tarde - buscava uma resolução imediata para caso: tudo no microondas. A couve foi um sucesso! Coloquei a verdura em um refratário com duas colheres de água e deixei cozinhar em potência alta por quatro minutos. Tirei a couve do recipiente e coloquei o alho, a cebola e um pouco de azeite para refogar no microondas durante 4 minutos. Depois, foi só misturar a couve pronta nesse refogado. O resultado foi impressionante! Não ficou devendo nada para a couve feita na panela. Pena que a feijoada não teve o mesmo sucesso. O feijão cozinha, mas o caldo não engrossa de jeito nenhum! Eis que, quase 40 minutos depois, chegam Julio e André com o botijão de gás nas costas. Em tempo: as pessoas estavam quase trocando a minha feijoada pelo mamitex do boteco da esquina. Mas, a partir daí, tudo voltou ao seu curso normal: a minha cunhada Karla cuidou das suas tradicionais bananas à milanesa (basta empanar as bananas no ovo e na  farinha de rosca com açúcar e fritar até ficarem bem coradas) e a outra Carla, minha amiga, do arroz (me recuso a passar a receita do arroz). Para companhar, batidinha e caipirinha de limão. Para a batida, usei seis limões, três colheres de açúcar, bastante gelo e cachaça (à gosto). Misturei bem e servi. O responsável pela caipirinha foi o André, que cortou um limão em rodelas, acrescentou duas colheres de açúcar, encheu o copo de gelo e completou com Ypioca ouro - de lamber os beiços!!!!! Tomamos umas 3 dessas, a jarra inteira de caipirinha e mais umas quatro caixas de cerveja. Depois ainda tivemos fôlego (ou fígado) para prestigiar o nosso querido amigo Wanen, que estava fazendo aniversário em um bar na região! Ninguém precisa falar sobre o dia seguinte, né?

Depois dos contratempos...

Tudo deu certo!

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Bem vindos à minha cozinha!

O que você faz quando chega em casa depois de um longo dia, que foi seguido de uma longa noite, de trabalho? Dá um tapa na casa? Passa roupa? Brinca com os filhos, o gato, o cachorro?  A minha pilha de roupa para passar encostada há semanas sabe muito bem que o meu destino quase direto é a minha amada cozinha! É lá que eu relaxo, entre o corte da cebola e o tempero da carne, uma taça de vinho e uma conversa com meu querido Julio, ao som do bom e velho rock n' roll! Quando os amigos chegam, uma pequena área de serviço externa - transformada por nós em varanda gourmet - vira uma extensão da cozinha e todo mundo fica junto! Depois de tudo pronto, é só tirar o pano de prato do ombro e se juntar à galera! Bem vindos à minha cozinha!
Essa é a minha cozinha! Alguns objetos da prateleira foram 
remanejados, mas o resto continua assim!


segunda-feira, 16 de abril de 2012

Cerveja pode!

Semana passada eu e o Julio decidimos encarar uma dieta e isso explica o meu sumiço por aqui. Difícil manter a criatividade quando a contagem de calorias está em jogo. Acho que consegui chegar perto, trocando a manjada e sem graça dupla grelhado+salada por iscas de contra filé e lombo (se engana quem acha que é uma carne super calórica), remanescentes do churrasco do fim de semana, e legumes do sítio. Mais baixa renda impossível! Cortei os bifes de contra e de lombo, que já estavam temperados com pimenta e sal e tempero completo pronto e limão, respectivamente, em tiras não muito finas. Depois, cortei uma abobrinha tipo menina (aquela que é mais gorduchinha embaixo) no meio e cada um dos pedaços em dois, verticalmente. Fatei bem fininho cada um dos pedaços. Fiz a mesma coisa com a cenoura. Fritei os legumes na panela wok com cebola e azeite. Primeiro coloquei a cenoura e quando ela estava al dente, coloquei a cebola e a abobrinha. Em outra frigideira, fritei o contra e o lombo, um de cada vez, sem gordura nenhuma, durante uns três minutos cada carne, para não ficarem esturricadas. O processo todo, incluindo todo processo picagem (ai, como falar isso sem parecer obsceno? Juro que tentei encontrar outra palavra), leva cerca de meia hora. Para acompanhar, tomei uma latinha de cerveja. Doce, pão e fritura não pode. Cerveja pode! 

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Petisco leve copiado

Em dias muito corridos, uma ótima opção é uma boa mesa de frios. Ainda mais quando estamos tentando maneirar no garfo para tentar impedir, ou pelo menos retardar, aquele indesejável crescimento abdominal. Pode não ser a coisa mais light do mundo, mas é uma ótima alternativa aos pesadérrimos petiscos tradicionais de happy hour. Para melhorar, reproduzimos um petisco super light do Rhino Pub: palitinho de tomate cereja e mussarela de búfala com manjericão. Delicioso e simples, muito simples! Basta cortar os tomates em dois e a bolinha de mussarela em três e espetar tudo, com uma folha de manjericão. Como na casa da Rita não tinha manjericão fresco, salpicamos o seco mesmo em cima da porção e finalizamos com um pouco de azeite. Vale a pena o plágio, porque fica uma delícia!

Tomate cereja com mussarela de búfala e manjericão

Olha que mesa bonita, gente!

quarta-feira, 4 de abril de 2012

E hoje?

A Cris está solo hoje. O que comer? O resto do risoto? Ou alguma coisa feita na hora, bem fresquinha e gostosa? Ó dúvida cruel! Vou abrir uma cerveja pra pensar melhor!

terça-feira, 3 de abril de 2012

Risoto de frango e abobrinha com queijo brie

O nome é longo, mas o preparo é simples. Ainda mais porque a receita de sábado usou o patê de frango do happy hour de sexta. Muito fácil! Fritei meia cebola bem picada em duas colheres de sopa de margarina. Quando as cebolas estavam coradas, adicionei o patê, o arroz e sal misturei bem. Depois de uns 2 minutos, adicionei uma xícara do caldo que sobrou do cozimento da sobrecoxa de frango (cerca de 1 litro), e deixei secar, mexendo sempre. Fiz isso até o arroz ficar totalmente cozido (levou cerca de 30 minutos). Desliguei o fogo, coloquei uma colher de arroz no prato e salpiquei um pouco de queijo brie em cima. Ficou de lamber os beiços!

Ao contrário da foto, o gosto estava maravilhoso!


Happy Hour

Quando a gente vai receber os queridos amigos Paula e André em casa e eles perguntam "o que precisa levar?", tenho medo. Uma carninha pro churrasco se transforma num kit churrasco completo. A cervejinha para acompanhar o cardápio alemão, vira uma seleção dos mais variados rótulos de cerveja de trigo. E assim vai. Sexta passada, por exemplo, a ideia era uma cervejinha e petisquinhos prontos, como amendoim, batata chips, etc. "Paula, fala para o André não exagerar. Basta uma caixinha de cerveja." Eis que o casal 20 aparece com um barril de 5 litros de Heineken e uma sacolinha com uns quatro tipo de amendoim, batatas chips e queijos! Para completar, ainda tinha patê de frango (feito com 2 colheres de sopa de requeijão, 2 colheres de maionese, 4 sobrecoxas de frango desfiadas, sal, pimenta do reino e ervas secas), torradinhas, salame e nachos.  Resultado: a happy hour light se alongou até o início da madrugada e resultou numa bela sessão boteco! Casal, da próxima vez não precisa trazer NADA! rs

Olha que mesa bonita gente!

Chopp geladinho a toda hora!